RSS

“Isso nunca aconteceu comigo!”: Broxar – parte 2 de 2

24 jul

No post de ontem falei sobre a impotência sexual e suas causas psicológicas.


Será que ela está brava?

Hoje ressalto que posturas na vida se estendem para o sexo. Costumamos pensar que são dimenções muito diferentes e que a sexualidade é um universo secreto aos olhos comuns.

No convívio cotidiano um homem dá pistas de como se comporta frente aos outros e na cama.

Se você encontra um homem sempre desanimado, apático e reclamão como você o avaliaria se estivesse na cama? Nos primeiros encontros ele pode se revelar empolgado para conseguir o que quer. Conquista feita! É bem provável que sua atitude seja desanimada.

Um homem que é muito sério consigo e com os outros iria rir de si mesmo porque motivo? Provavelmente na cama ele será tão rígido e inflexível quanto é nos outros meios sociais.

A capacidade de ver a si mesmo como uma miragem é um dom a ser treinado. Essa brincadeira do olhar é a mesma que vê seu próprio pinto murcho e consegue não atribuir um grande peso a isso.

O pênis é um músculo que fica maior apenas pelo influxo do sangue bombeado pelo coração que responde a estímulos essencialmente psicológicos. Não há uma manobra mecânica (a não ser aqueles sugadores de pênis bizarros, mas não conta) para estimular uma ereção.Sua mente precisa estar preparada: ou você está relaxado e ao mesmo tempo focado ou nada acontece.

É uma sensação estranha que só um homem vai entender, se você percebe que seu pênis está murchando e fica nervoso e olha para ele com uma cara de “sobe logo e não me envergonha!” fatalmente o resultado é o oposto. Ele vai desistir de você!

No entanto, se você descontrai, respira, olha para a mulher, movimenta seus quadris com tranquilidade e voracidade a possibilidade dele se reanimar é maior. Forçar uma ação desestimula seu desejo.  Portanto, transar por obrigação moral nem sempre é uma boa pedida, mas apenas se abrir e relaxar até que o desejo venha.

Já fez aquela brincadeira de olhar para a outra pessoa sem poder rir? Ambos ficam tomados pela risada que não pode sair. Agora brinque de ser obrigado a rir. A risada não sairá.

A ereção masculina é como um riso do pênis, forçá-la inibe sua força. Relaxar os sentidos e o corpo devolve o fluxo sanguíneo para o pênis.

Se você estiver conectado na sua mulher irá perceber como ela treme ao seu toque e sua voz. Isso abastece o seu desejo e nisso se apoia sua excitação.

Acho que o que mais desistimula uma mulher ao ver o homem sucumbir à paralisia pós-broxada é a sensação de que ele nem sequer percebeu que para ela o sexo começa muito antes de seu pênis ficar ereto e termina muito depois dele amolecer. Ou seja, se ele não tem o pinto duro, eles não podem se divertir, afinal ela é apenas um buraco que o satisfaz. Quando o homem pára diante da broxada está subentendendo que a mulher é apenas uma descarga de prazer e não um canal de vida e amor.

Agora vamos às dicas práticas.

Prepare-se para o encontro com ela, mantenha pêlos aparados, unhas cortadas, reserve tempo e local apropriados para o encontro sexual. Evite ejacular alguns dias antes, concentro todas as suas forças para aquele momento especial.

Durante a transa tenha algo em mente, você não está ali para gozar, mas para bater papo com o corpo dela. Seu corpo conversa com o dela através de movimentos. Isso diminuirá sua ansiedade em manter uma grande performance acrobática.

O seu orgasmo é seu inimigo nessa hora, pois na maior parte das vezes o gozo masculino é uma forma de se libertar de uma tensão interna insuportável. Saiba bem diferenciar suas angústias de um desejo sexual genuíno. O sexo é uma forma de relacionamento com ela e não de ceder às suas tensões pessoais.

Ao começar uma relação sexual esqueça um pouco do seu pênis, respire e penetre o coração de sua mulher. Olhe-a nos olhos, sinta seu sabor, beije cada parte do seu corpo, movimente-se oras com intensidade e força e outras delicadeza e suavidade.

Massageie seu corpo com as mãos, com seus lábios, com seu pênis, deixe ele à vontade com o corpo dela. Não olhe para a vagina dela como se fosse um tiro ao alvo em que seu único objetivo é acertar o centro e se livrar do peso do orgasmo.

Tire a roupa dela como parte de um ritual. As vezes a situação pedirá que tire a roupa com ardor, mas as vezes poderá ser uma brincadeira divertida. Tudo isso pode parecer muito lento e chato se você tiver unica e exclusivamente a vontade de gozar dentro dela.

Faça do momento da camisinha algo tranquilo, não precisa se afobar, interajam nessa hora. Mantenha sempre contato entre vocês dois, ainda que você perca a ereção não tenha receio de retomar aos poucos antes da penetração, brinque de novo, se estimule e a ela também. Não há caminho sem volta no sexo.

Sorria e respire, o sexo é uma celebração de vida. Se algo tirar sua energia e você se distrair lembre-se de respirar e sorrir por dentro e/ou por fora.

Com isso posto, sinta-se livre para controlar o ritmo de cada gesto, das mãos, da penetração, sinta cada parte dentro dela, cada textura e respire sempre. Experimente simplesmente penetrá-la completamente, parar por alguns minutos dentro dela, olhar em seus olhos, expressar sentimentos, isso conecta poderosamente um casal.

Se em alguns casos o casal estiver muito maculado por alguma situação de perda de ereção que fixou negativamente a experiência do casal eu aconselho a prática do sexo sem penetração. Em determinado dia os dois irão brincar de sexo sem pinto. Isso minimiza o temor de nova broxada e possibilita ao homem descobrir que o prazer da mulher e o dele também vai muito além da penetração. Sob hipótese nenhuma deve deixar que a penetração aconteça. O homem vai lidar com aquela sensação de voracidade que deverá ser saciedade em outro dia.

Toda a fantasia ou jogo erótico que puder ser vivida à dois tem passe livre para que o sexo se torne uma coisa lúdica e não uma prisão performática.

 Para a mulher

 E caso ele broxe, mulher, entenda que ele está se debatendo como uma barata dentro dele. Já viu um passarinho se chocar contra um vidro e cair aturdido no chão? Qual seu impulso? Aconchegar ele e sorrir.

Sem piedade ou pausa o chame para si com seu corpo. Respire seu homem, deixe que o seu corpo o conduza para fora de si mesmo e não para dentro. Use o beijo e o abraço, diga com seu corpo “estou com você em qualquer circunstância”. Procure se conectar com a admiração e a potência que vê nele para além do sexo. Não seja maternal ou o infantilize, apenas seja afetuosa.

Observação

 O uso de acupuntura é muito efetivo para diminuir a ansiedade e aumentar a capacidade de canalizar energia. Em alguns casos vale a pena procurar ajuda médica para encontrar alguma medicação que controle a ansiedade.

O mais importante é que você não precisa ficar acorrentado ou paralisado diante do seu desejo e o dela.

 Se gostou do texto e não tem vergonha de tratar sobre o assunto, compartilhe com seus amigos do Facebook clicando no botão abaixo!

___________________________________

Outros artigos relacionados 

“Isso nunca aconteceu comigo!”: Broxar – parte 1 de 2

Ejaculação precoce, tamanho do pênis e hábitos ruins

Você é quente ou refrescante na cama?

Sua Puta!

Dona dos próprios dedos – masturbação feminina

O fracasso do beijo e o fim do tesão

Energia masculina

O ganharao – Homem do primeiro estagio

O sensível – Homem do segundo estágio

About these ads
 
16 Comentários

Publicado por em 24/07/2011 em Sexo

 

Tags: , , , , , ,

16 Respostas para ““Isso nunca aconteceu comigo!”: Broxar – parte 2 de 2

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 581 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: